Pesquise no Blog

October 27, 2016

A árvore e os parasitas


Ontem, ao retornar do trabalho, minha esposa me chamou para mostrar uma das árvores do quintal  ̶  um pé de orvalha, fruta da infância de minha amada. A árvore estava tomada por trepadeiras sugando suas forças e apodrecendo alguns galhos. Resolvi cuidar da árvore e passei ali mais de uma hora retirando as trepadeiras parasitas.

Enquanto retirava cuidadosamente as plantas daninhas da nossa árvore me lembrava das aulas de Teologia Bíblica, quando aprendíamos sobre o reino parasita de Satanás. A ideia de que Satanás não tem um reino próprio, mas se estabelece no Reino de Deus como parasita, usufruindo da criação do Senhor.

Me lembrei também dos parasitas que existem nas igrejas. Pastores que entraram no ministério sagrado por interesses baixos, visando sustento financeiro. A motivação para alguém ingressar no ministério sagrado deveria ser, sempre, trabalhar para o avanço do Reino de Deus, ajudar as pessoas, mas, infelizmente, alguns hoje estão querendo ser pastores para ter estabilidade financeira.

Ao retirar as centenas de raízes sugadoras, emaranhadas pelo tronco e enroladas nos galhos eu me lembrei de homens que ocupam postos importantes na Igreja, mas trabalham contra os princípios da denominação. Dia desses um colega me contou que um destes declarou a plenos pulmões para um público que o assistia: “Eu odeio os puritanos!” Enquanto meu colega contava o ocorrido eu pensava “Quanta ignorância”. Não sabe este pastor que nossa Igreja foi fundada por puritanos? Não percebe ele que os padrões confessionais de nossa Igreja, os Símbolos de Fé de Westminster, foram produzidos pela “nata” dos puritanos? Não atina ele para o fato de que “odiar os puritanos” é rejeitar a própria história?

Estes são os parasitas. Fazem o curso do Seminário financiados pela Igreja. São acolhidos e sustentados pela Igreja. Recebem a honra de serem identificados como pastores desta Igreja, mas trabalham contra a Igreja. Pregam contra a doutrina da Igreja e criticam a história da Igreja. No momento da ordenação juram lealdade aos Símbolos de Fé da IPB, mas, passado pouco tempo, já estão quebrando o juramento solene.

Retiram da árvore os nutrientes, sugam tudo o que podem, não para o bem da árvore, mas para o bem do estômago e do próprio ego. Sobre estes foi que Paulo nos alertou: “Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes; afastai-vos deles, porque esses tais não servem a Cristo, nosso Senhor, e sim a seu próprio ventre; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos incautos” (Rm 16.17,18).

Depois de muito trabalho e cuidado para com a árvore eu consegui extirpar a trepadeira parasitária. Valeu a pena ver novamente o tronco e os galhos da árvore e saber que agora ela poderá retomar o seu crescimento e gerar novos frutos. Minha esperança e oração é que a nossa Igreja se veja livre dos parasitas. Só assim, com unidade de pensamento e propósito (1Co 1.10) poderemos crescer e gerar frutos. Que Deus cuide desta árvore.

3 comments:

www.noutesia.blogspot.com said...

Rev. Ageu, hoje, enquanto refletia sobre um texto muito bom de outro pastor sobre "10 maneiras de você 'matar' seu pastor" ocorreu-me algo parecido sobre os pastores "10 maneiras de um pastor matar sua igreja" (Está na minha linha do tempo no Face). Só apresentei 7 maneiras e deixei o restante para que outros dissessem. Mas, bem que seu texto responde muito melhor a questão.

Josivaldo de França Pereira said...

Além de pastores, tem muito presbítero, diácono e membro de igreja assim também. Professam conhecer a Deus, mas o negam por suas obras.

Gesely Calijuri said...

Chegará a hora em que nosso bondoso Deus fará a "limpeza", não sobrará um parasita sequer.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails